Buscar

9 de julho de 2017

Zumbido ou Tinnitus
O que acontece quando um som de repente
se repete o tempo todo?
Quando o zumbido dá o tom?



Nosso mundo é cheio de sons: risadas, músicas inesquecíveis, ondas quebrando na praia. Todos esses sons enriquecem nossas vidas e são música para nossos ouvidos, melhorando nosso humor.

O estresse é a causa mais comum de zumbido,
de mão dupla, já que, em casos mais graves, a tensão gerada em decorrência do zumbido pode causar problemas de
sono, fobias e depressão.


       O zumbido é um ruído que se origina dentro do ouvido e pode afetar uma ou as duas orelhas. Embora atualmente não haja uma cura para a maioria dos casos, existem modos de aliviá-lo.


       A pessoa pode encontrar um diagnóstico de zumbido e controlá-lo.  Não ser controlado por ele.

Zumbido, ou tinnitus é o termo médico utilizado para descrever os barulhos que ouvimos em nossas orelhas.
É derivado do latim “tinnire”, que significa “tocar”. O zumbido varia de pessoa para pessoa em:  tipo, frequência e intensidade.
Muitos descrevem o ruído como um assobio, sibilante, crepitante ou uma campainha na orelha.

 Zumbido subjetivo e objetivo

  • ·        Zumbido objetivo, é mais raro. É aquele que também pode ser percebido por outra pessoa e pode ser mensurado diretamente pela(o) fonoaudióloga(o).

O tratamento em geral é medicamentoso.

  • ·        Zumbido subjetivo é audível apenas para a pessoa.

O zumbido é interno – sem fonte sonora externa direta. Esse tipo de zumbido não é mensurável, e constitui uma aflição real das pessoas que afetadas. Existem novas formas de lidar com essa condição e aliviar o impacto do zumbido subjetivo.

Tipos e gravidade

Zumbido agudo - é apenas temporário, depois de um show de música muito alta e desaparece rapidamente.
Zumbido crônico ou permanente, que afeta milhões de pessoas.
A maior parte das pessoas refere o zumbido como uma fonte que não gera irritação ou que gera uma pequena irritação. Mas uma em cinco pessoas descreve a sensação como desagradável e até insustentável.
Muitas dessas pessoas ficam tão estressadas que o zumbido diminui a sua qualidade de vida.

Zumbido é um sintoma, como o é a dor. 
Não uma doença.
       O zumbido é um indicativo de problemas no sistema de processamento do som, mas pode estar também relacionado a uma variedade de doenças.
A maioria das pessoas que sofrem com o zumbido também tem dificuldades de audição de várias intensidades.
O zumbido pode ser causado também por uma disfunção dentária, o bruxismo, por exemplo, e pela dor cervical crônica.
O estresse é a causa mais comum de zumbido. 
A recíproca é verdadeira: o zumbido permanente 
eleva o estresse.

Ruídos agudos são mais percebidos
quando a pessoa está tensa.
Medicamentos podem desencadear o zumbido.
Uma vez que o uso da medicação é interrompido, o zumbido normalmente desaparece também. Mas alguns medicamentos podem causar danos irreparáveis, que podem resultar em zumbido permanente.
Como o zumbido é percebido de modo diferente por cada pessoa, é essencial um diagnóstico preciso, ainda que esse nem sempre seja possível.
Importante:
1. determinar se o caso pode ser tratado por meio medicamentoso ou não;
2. realizar exames otorrinolaringológicos, odontológicos, ortodônticos, fonoaudiológicos, emocionais e ortopédicos;
3. a intensidade e a frequência do zumbido podem ser determinadas por testes específicos e o exame de audição também pode revelar se existe uma perda auditiva associada;
4.avaliação emocional para determinar a presença, ainda que não percebida de estresse mantido;
5.exames funcionais do cérebro indicam aumento de atividade metabólica na região do córtex auditivo em pacientes com zumbido, o que sugere que: ou zumbido não está exclusivamente relacionado à audição, ou a sua permanência desencadeia alterações funcionais cerebrais.
 
Mantenha o sintoma sob controle.
O zumbido pode afetar a vida de uma pessoa e isso depende de vários aspectos: do volume, da frequência e duração, e da percepção individual.
O TRATAMENTO É MULTIPROFISSIONAL



25 de junho de 2017

As Mulheres vivem mais do que os Homens.

O que o ESTRESSE e a IMUNOLOGIA têm a ver com isso?

Quase TUDO !

Publicado na revista científica Immunity & Ageing (2016, 3:2). 
Demonstra que a maior lentidão de envelhecimento do 
sistema imunológico feminino
reflete a maior taxa de longevidade, o que ocorre
em vários países do mundo.


       
Sistema imunológico

       O sistema imunológico vai se debilitando com o tempo; nos homens esse processo é mais rápido.
       Estudos envolveram homens e mulheres saudáveis com idades entre 20 e 90 anos. 
Foram controlados com exames de sangue para a avaliação da quantidade de células do sistema imunológico - que coordenam a resposta de defesa natural do nosso organismo às doenças.
Os resultados mostraram que tanto em homens como em mulheres a contagem de leucócitos (glóbulos brancos) diminuiu com a idade.
Exames mais pormenorizados, mostraram diferenças de contagem entre os gêneros, em dois tipos de leucócitos (que são componentes importantes do sistema imunológico), os linfócitos T e os linfócitos B.

O número de linfócitos T  e  B diminuiu mais rapidamente entre os homens do que entre as mulheres.
Os linfócitos T amadurecem na glândula Timo; por isso o nome. 
É um dos pilares do Sistema Imunológico, junto com o eixo Hipotálamo-Hipofisário-Suprarrenais (Adrenais). 
Para mais detalhes ver neste blog o trabalho apresentado por nós no CONGRESSO MUNDIAL DE PSIQUIATRIA - MADRI - 2015
Linfócitos T -  são tipos de glóbulos brancos (leucócitos) responsáveis pela defesa do organismo contra agentes invasores desconhecidos (antígenos).


Elevam a imunidade específica e a imunidade celular, induzindo a apoptose (autodestruição) de células invadidas por vírus, bactérias intracelulares,
ou cancerígenas.
        Mais do que isso:
       1. as citocinas (um tipo de linfócito T) apresentam um declínio mais rápido no homem, reduzindo o seu número no sangue com o avançar da idade;
       2. dois tipos específicos de linfócitos de defesa orgânica que costumam se tornar mais numerosos com a idade: TCD4 e NK aumentaram mais em mulheres do que em homens ao envelhecerem.
·      As células TCD4  têm a função de coordenar a função de defesa imunológica contra vírus, bactérias  e fungos, principalmente através da produção e liberação de citocinas e interleucinas.
       São capazes de estimular a resposta imune humoral.
·      As células NK (Natural Killer) são um tipo de linfócitos responsáveis pela defesa específica do organismo).
       Têm um papel importante no combate a infecções virais e células tumorais.
       Foram assim denominados exatamente pela sua atividade citotóxica contra células tumorais de diferentes linhagens, sem a necessidade de reconhecimento prévio de um antígeno  específico.





O processo de defesa imunológico é muitíssimo 
mais complexo do que apresento neste texto.
ATENÇÃO:  
Ele sofre inibição ou bloqueio pelo 
estresse mantido.

Alguma relação com a nossa situação atual 
de incertezas e de riscos?





8 de junho de 2017

Junho: mês dos apaixonados.


Por que nos apaixonamos?

Para garantir a sobrevivência da espécie?
Para garantir a proteção da cria?
Ou porque é danado de bom?





Como é um ataque de paixão?

       Subitamente, até a mais controlada das criaturas apresenta alterações do comportamento:
palpitações, vertigem, agitação, distração, sudorese, insegurança, necessidade de controlar a pessoa amada, noites em claro, pensamentos contraditórios, dias sem comer direito, minutos que parecem séculos, enquanto espera este ser insubstituível, sem quem você tem a certeza de que não sobreviverá.

Por outro lado, quando isso acontece, é a época da maior beleza da pele, dos cabelos, do brilho dos olhos, da animação e da alegria.

E emagrece!




A paixão dura em média de 18 a 30 meses, porque o organismo não aguentaria continuar por mais tempo nessa loucura que consome homens e mulheres, sem isenção de faixa etária.

Depois desse tempo, vão se normalizando os níveis de serotonina nas estruturas cerebrais e, a partir do momento em que a ligação afetiva se consolida, o cérebro dos apaixonados começa a desenvolver um processo bioquímico destinado a fortalecer essa conexão, para torná-la mais duradoura e firme, que é o amor.



Diversos fatores, mais do que um rosto bonito, um corpo sarado ou uma boa conversa, vão provocar o interesse sexual.
O homem e a mulher, sem o saberem, serão estimulados bioquimicamente por outros fatores.
É a famosa “química”.

1. O cheiro
       É particular de cada pessoa. Um conjunto de moléculas exaladas pela pele, chamadas feromônios, que podem despertar reações de atração ou de rejeição.



2. A voz
       Achar a voz atraente, mesmo antes de  conhecer a pessoa, é um indício de que provavelmente ela terá características físicas consideradas sexualmente atrativas para quem a escuta.



3. O beijo
       É um carinho íntimo, e o desejo dele é acionado como uma das manifestações da atração sexual entre dois parceiros. Representa mais ainda uma forma de medir a compatibilidade sensorial: gosto, cheiro, calor, contato físico.



4.   A expectativa de prazer

       Na sedução, no namoro, nas preliminares do ato sexual. Tem importância fundamental para preparar os homens e as mulheres para um ato físico, que se processa inicialmente no cérebro, na fantasia, no devaneio e na poesia. Só assim, oferecerá realização: relaxamento muscular, liberação hormonal, plena satisfação emocional e possibilidade de concepção.

 

Mantenho abertas as questões iniciais deste texto, por acreditar que faz parte das escolhas e das atitudes de cada um o caminho da saúde e da plenitude amorosa.





31 de maio de 2017

Estresse, Depressão e Memória




Queixas de prejuízos de memória têm se avolumado, com o excesso de informações conflitantes, amedrontadoras, geradoras de instabilidades emocionais, profissionais, econômicas, e inseguranças perenes.

Em consequência, falhas de memória podem se elevar, causando o medo de que sejam sintomas de um dos quadros de demência.



O diagnóstico de depressão deve ser observado, especialmente quando a pessoa se encontra fora da sua atividade rotineira, do trabalho, acentuadamente pela perda dele, cansada, estressada, desesperançada, envergonhada, derrotada.




As alterações de memória podem ser
indicativas de depressão.

Observa-se estreita e significativa relação entre depressões, mesmo subclínicas, e as queixas de memória, 
sendo essas o seu primeiro sintoma.

Queixas de redução da memória, mais insônia, desinteresse e  queixas orgânicas múltiplas podem ser a representação de sintomas depressivos e ansiosos.

De fato, constata-se que, dos pacientes que apresentam queixas subjetivas de memória, perto de 40% são francamente  deprimidos.



A atenção deve ser esmerada a outras condições que podem resultar  em perdas de memória, como: distúrbios metabólicos, endócrinos e, principalmente, medicações em uso, com ação direta ou indireta no sistema nervoso central.

Os sintomas emocionais entre os idosos 
(que são as pessoas acima de 80 anos, segundo a OMS), 
não são os mesmos descritos para o adulto.

        A redução da acuidade auditiva e/ou visual 
constituem outras causas: as queixas de memória podem resultar de um déficit no registro e no processamento secundário das informações.

A depressão isoladamente, ou aliada aos  fatores acima, ocorre em qualquer idade. 

Nenhum deles constitui um processo direto de perda de memória, e a recuperação tende a ser completa.






Essa apresentação tem o propósito de 
contribuir com pessoas que ficam angustiadas 
por seus lapsos de memória, quando 
tanto se fala em Demências. 

Digo a vocês que existem causas mais simples, 
de tratamento possível e bem sucedido.



7 de maio de 2017

Homenagem às Mães


Pierre-Auguste Renoir


Para Sempre
CDA

 Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?

Mãe não tem limite,

é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece

com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.

Mãe, na sua graça,

é eternidade.

Por que Deus se lembra

— mistério profundo —
de tirá-la um dia?

Fosse eu Rei do Mundo,

baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.
Carlos Drummond de Andrade
Claude Monet